Escritores discutem o encontro de literatura e internet

Os escritores Natanael Lima, Frederico Spencer e Ney Anderson debateram o impacto que a chegada da internet teve para o mercado literário e também para a fruição individual do leitor. Vista como vilã, a rede é agora não apenas uma ferramenta essencial de divulgação, mas também uma plataforma de leitura.

A lenta, porém firme introdução da literatura como a conhecemos a um espaço virtual, foi contextualizada por Natanael Lima, que forneceu um apanhado de dados e pontos históricos para se pensar o virtual não como um lugar que nega e limita a leitura, mas que potencializa suas possibilidades.

Frederico Spencer comentou sobre o fetichismo que envolve a posse do livro físico. O escritor comparou a antiga e frustrada discussão de que os dispositivos de homevideo destruiriam a experiência do cinema, o que não ocorreu, com a ressalva que os leitores e autores tiveram com a chegada dos ebooks, que hoje são amplamente popularizados.

Ney Anderson falou sobre a rica possibilidade de diálogo que existe na internet, sobretudo no que diz respeito aos blogs, onde qualquer pessoa pode passar a exercitar seu lado crítico. À frente do blog Angústia Criadora, o escritor diz que criou o espaço por ser sempre questionado por leitores interessados em não terminar a experiência do livro quando a última página se fechava.

A conversa tocou ainda na questão do trabalho literário, seja na crítica ou na ficção, focado inteiramente no virtual. “Muita gente pensa nesse como um trabalho mais fácil, mas é preciso muito foco e atenção”, diz Natanael. “Um texto que escrevi sobre a obra de Raimundo Carrero me rendeu um convite do Estadão para publicar lá”, diz Ney Anderson, reiterando o poder de alcance dessas plataformas.

Deixe uma resposta