Felipe Folgosi fala sobre histórias em quadrinhos

O ator e autor Felipe Folgosi abriu o primeiro dia de palestras da Fliporto apresentando Aurora e Comunhão, suas mais recentes publicações. Traçando um histórico da importância e atual relevância desse gênero, que é cada vez mais reconhecido, o artista comentou sobre as referências que o inspiraram a compor as tramas.

Aurora, resultado dos estudos de roteiro cinematográfico na UCLA, é um thriller de ficção científica que surgiu de uma conversa com sua namorada. Ao associar os sinais e pintas de seu corpo com o formato de uma constelação, Felipe criou uma personagem que nasce com o “mapa dos céus” na própria pele, e se vê envolvido numa trama de sociedades secretas, pós-humanismo, ação, romance, sacrifício e aventura. Já Comunhão, também originalmente pensado para cinema, é uma trama de terror e suspense que acompanha um grupo de corredores que luta pela própria vida durante uma prova na Mata Atlântica brasileira.

Folgosi ressaltou ainda a pluralidade da experiência proporcionada pela leitura de uma história em quadrinhos, que ele define como “uma mistura de artes plásticas e literatura”. Comentando sobre seu trabalho de divulgação nas bibliotecas do estado de São Paulo, o autor citou ainda sobre a importância do fomento aos artistas independentes que, assim como ele, não tem o suporte de uma grande editora por trás de suas obras. Aurora e Comunhão foram viabilizadas através de financiamento coletivo, com campanhas de grande sucesso.

Deixe uma resposta